BlogConteúdo, novidades, informação, etc.

Arquivo de: março 2018

Entenda o papel prático do SPED na fiscalização das empresas

Por | Compliance, Consultoria | No Comments

Se você é dono de uma empresa provavelmente sabe que  Sistema Público de Escrituração Digital, o famoso SPED, faz parte do Programa de Aceleração do Crescimento do Governo Federal (PAC 2007-2010). Além disso, ele foi um grande marco para a área contábil das organizações pois foi a partir de seu surgimento que os principais procedimentos contábeis passaram a ser realizados pela internet. Com isso, o armazenamento de documentos físicos deu espaço a armazenagem em nuvem.

No entanto, muitas dúvidas ainda existem a respeito do SPED e toda essa mudança fez com que muitos ainda tivessem dificuldade em entender o papel prático dele na fiscalização de empresas. Por isso, hoje iremos falar um pouquinho sobre esse Sistema.

Além de questões ambientais relacionadas a economia de papel, o governo criou o SPED  para promover a  integração dos fiscos, mediante a padronização e o compartilhamento das informações contábeis e fiscais, respeitadas as restrições legais. Como isso, foi possível estabelecer uma fiscalização muito mais rígida.

Afinal, por meio dele a Receita pode racionalizar e uniformizar as obrigações acessórias para os contribuintes com o estabelecimento de transmissão única de distintas obrigações acessórias de diferentes órgãos fiscalizadores. Assim, o SPED possibilita identificar  ilícitos tributários por meio de um rápido acesso às informações, tornando  a fiscalização mais efetiva com o cruzamento de dados e auditoria eletrônica.

Podemos concluir então que o principal papel do SPED na fiscalização das empresas é o fortalecimento do controle e da fiscalização por meio de intercâmbio de informações entre as administrações tributárias. O resultado disso, é um maior combate à sonegação e consequentemente a redução do “Custo Brasil”.

E a sua empresa? Como ela está lidando com o SPED? Seu  contador consegue baixar todas as NFes, NFSes e CTes? Se você está enfrentando problemas com toda essa mudança exigida pelo governo, entre em contato com a 4True. Somos especialistas quando o assunto é Compliance Tributário.

Fonte de informações para este artigo: http://sped.rfb.gov.br

Quais os objetivos de um planejamento tributário?

Por | Compliance, Consultoria, Gestão Tributária | No Comments

Muito mais do que impedir que erros relacionados a questões tributárias passem despercebidos, um planejamento tributário bem elaborado tem como foco principal garantir que sua empresa possa não só ficar em conformidade com a legislação, mas também economizar e lucrar mais.  Confira 3 objetivos chaves de um planejamento tributário!

1 – Evitar  pagamentos desnecessários

Alguns tributos podem ser cobrados mesmo não sendo obrigatórios perante a lei. Com um planejamento tributário você pode descobrir se está acontecendo algum pagamento desnecessário.

2 – Reduzir os valores de recolhimento

Um bom planejamento tributário irá oferecer as melhores escolhas para reduzir valores de recolhimento, que pode acontecer com a mudança da base ou a redução de uma alíquota.

3 – Retardar uma obrigação tributária

Você sabia que ainda é  possível trabalhar com a possibilidade de retardar a obrigação por meio de um planejamento tributário? Isso mesmo, assim pode-se preservar o caixa da sua empresa evitando que o pagamento seja feito para o governo mesmo antes da transação comercial ser recebida.

Por que eu devo implementar Compliance Tributário na minha empresa?

Por | Compliance, Gestão Tributária, Inovação, Oportunidades | No Comments

Aqui no nosso blog você já acompanhou bastante sobre Compliance Tributário e, por vezes, para quem já entende um pouco do assunto, pode parecer meio óbvio a importância dele e também meio surpreendente que algumas empresas ainda tenham dado pouca atenção ao Compliance Tributário.

A grande questão é que muitos ainda não conseguem entender que não investir em Compliance Tributário pode causar danos irreversíveis à reputação de um negócio. Afinal, como disse Warren Buffett: “leva-se 20 anos para construir uma reputação e cerca de cinco minutos para perder uma”. Além disso, pesquisas mostram que as pessoas não querem fazer negócios com empresas que não tem boa reputação ou não se mostram honestas.  Se você não é confiável no mercado, é improvável que os clientes queiram trabalhar com você.

Outro ponto crucial dentro de uma empresa é que trabalhar em conformidade com a lei tributária influencia diretamente os  valores e princípios éticos que orientam o comportamento da organização. O Compliance Tributário faz com que uma empresa treine os membros da equipe de acordo com os princípios éticos e exige que a organização responsabilize os membros da equipe por eles.

Ao contrário do que muita gente pensa, o Compliance Tributário não é algo conservador, na verdade ele também pode servir como um impulsionador de mudança e inovação dentro da empresa. Isso porque ele pode criar uma nova rotina e modificar comportamentos fazendo com que a empresa evolua e garanta que não só o lado econômico da empresa seja beneficiado, mas também garantir que a empresa seja respeitada pelo mercado assumindo um posicionamento sério e honesto perante o mercado.

Quais as principais vantagens e desvantagens do Lucro Presumido e do Lucro Real?

Por | Consultoria, Gestão Tributária | No Comments

Está na dúvida sobre qual regime adotar? Lucro Real ou Lucro Presumido? Bem, os dois apresentam vantagens e desvantagens. Neste artigo, vamos apresentar de forma simples e clara os melhores pontos de cada regime tributário. Afinal, não se engane. Após atingir o teto do Simples Nacional nem sempre o Lucro Presumido é o melhor caminho. O Lucro Real, apesar de sua complexidade maior, pode acabar compensando e ser a escolha que irá favorecer mais a economia tributária da sua empresa.

A grande vantagem do Lucro Real é que o  IRPJ e CSLL são calculados com base no resultado real de uma empresa, isso diminui distorções. É possível ainda compensar  prejuízos realizados em apurações futuras de lucro na base de cálculo, porque existem duas formas de  apuração, a trimestral e a anual por estimativa, nesta escolha é possível contribuir para o caixa da empresa.

Lembrando que nesse regime, as alíquotas de IRPJ e CSLL são as mesmas do Lucro Presumido, 15% e 9%, respectivamente. O que muda de forma significativa é a apuração do PIS e da COFINS.

O regime de PIS e COFINS para ser não cumulativo, tem a alíquota de 9,25%  (superior a do Lucro Presumido). No entanto,  a empresa poderá descontar créditos obtidos com a aquisição de insumos, na depreciação dos ativos, no consumo de energia elétrica e outros. Além disso, embora tenha uma alíquota maior o método de cálculo é diferente e pode favorecer algumas empresas com baixa margem de lucro.

Já o Lucro Presumido, tem um  tratamento  mais simples do que se trabalhar no Lucro Real e apresenta uma grande vantagem tributária caso o lucro da sua empresa seja maior que a presunção. As obrigações também são menos complexas e como já mencionamos neste artigo as alíquotas de PIS e COFINS são menores do que no Lucro Real.

Destacamos que para escolher o melhor regime tributário o recomendado é que seja feito um planejamento com profissionais capacitados para te orientar sobre todos os impactos relacionados a tributos e impostos.