BlogConteúdo, novidades, informação, etc.

tecnologia

Entenda o papel prático do SPED na fiscalização das empresas

Por | Compliance, Consultoria | No Comments

Se você é dono de uma empresa provavelmente sabe que  Sistema Público de Escrituração Digital, o famoso SPED, faz parte do Programa de Aceleração do Crescimento do Governo Federal (PAC 2007-2010). Além disso, ele foi um grande marco para a área contábil das organizações pois foi a partir de seu surgimento que os principais procedimentos contábeis passaram a ser realizados pela internet. Com isso, o armazenamento de documentos físicos deu espaço a armazenagem em nuvem.

No entanto, muitas dúvidas ainda existem a respeito do SPED e toda essa mudança fez com que muitos ainda tivessem dificuldade em entender o papel prático dele na fiscalização de empresas. Por isso, hoje iremos falar um pouquinho sobre esse Sistema.

Além de questões ambientais relacionadas a economia de papel, o governo criou o SPED  para promover a  integração dos fiscos, mediante a padronização e o compartilhamento das informações contábeis e fiscais, respeitadas as restrições legais. Como isso, foi possível estabelecer uma fiscalização muito mais rígida.

Afinal, por meio dele a Receita pode racionalizar e uniformizar as obrigações acessórias para os contribuintes com o estabelecimento de transmissão única de distintas obrigações acessórias de diferentes órgãos fiscalizadores. Assim, o SPED possibilita identificar  ilícitos tributários por meio de um rápido acesso às informações, tornando  a fiscalização mais efetiva com o cruzamento de dados e auditoria eletrônica.

Podemos concluir então que o principal papel do SPED na fiscalização das empresas é o fortalecimento do controle e da fiscalização por meio de intercâmbio de informações entre as administrações tributárias. O resultado disso, é um maior combate à sonegação e consequentemente a redução do “Custo Brasil”.

E a sua empresa? Como ela está lidando com o SPED? Seu  contador consegue baixar todas as NFes, NFSes e CTes? Se você está enfrentando problemas com toda essa mudança exigida pelo governo, entre em contato com a 4True. Somos especialistas quando o assunto é Compliance Tributário.

Fonte de informações para este artigo: http://sped.rfb.gov.br

A importância do saneamento de cadastros de fornecedores e clientes 

Por | Variedades | No Comments

Sabemos que o saneamento cadastral de fornecedores e clientes é uma atividade que consiste em complementar e atualizar informações dos sistemas informatizados das empresas em que o objetivo é atender aspectos fiscais, tributários e contábeis.

Com ele é possível padronizar o de cadastro para atender ao  Sistema Público de Escrituração Digital (SPED – instituído desde 2007) e reduzir os operacionais a partir da atualização dinâmica do cadastro. Se engana quem acha que o saneamento de cadastros é apenas a busca de informações oficiais. Ele também é um trabalho cuidadoso de análise e busca reparar e eliminar falha ou excessos que estão vinculados ao (SPED), instituído desde 2007.

Vale ressaltar que  o SPED (NF-e) exige que toda a entrada de dados seja em um fluxo único, já que todas as informações cadastradas no sistema da empresa começaram a ser enviadas diretamente às Secretarias de Fazenda das Unidades Federais e à Receita Federal através de um arquivo digital em XML.

Por isso deve-se ficar atento ao saneamento cadastral porque caso ele não aconteça sua empresa pode operar com fornecedores ou clientes inaptos perante a Receita Federal ou não habilitados no Sintegra. Além disso todos os dados da NFe alimentam os demais documentos do SPED, como o EFD, ECD, PIS/COFINS. Um erro de dados pode acabar sendo identificado nos demais arquivos SPED e trazer muitos problemas com a Receita Federal, que  tem 5 anos para analisar a base de documentos fiscais do SPED e identificar irregularidades e gerar autuações devidamente documentadas com base nos dados disponíveis.

Por isso, é importante que a empresa faça saneamentos de cadastros de fornecedores e clientes periodicamente dependendo do seu porte. Em algumas é necessário que essa atualização seja feita semanalmente, em outras uma vez por mês já é suficiente.

Outro ponto importante é deve-se que manter o cadastro da empresa sincronizado com todos as unidades da Receita Federal e Sintegra reduz o risco fiscal a zero. Para conseguir isso o recomendado é buscar que aconteça uma integração dos processos do cadastro do seu Sistema de Gestão (ERP, CRM, Portal de Cadastro) com uma plataforma de consultas gerenciada por uma empresa especializada na área.

Isso porque o saneamento de cadastros de clientes e fornecedores é um processo que nunca termina. Ele é um ciclo, um processo contínuo que requer um trabalho muito cuidadoso. Por isso é muito importante contratar uma empresa para ficar responsável por todo o trabalho de conferir se tudo está correto. Jamais deixe de buscar  profissionais e até mesmo aos softwares que agilizem o processo para ajudar que tudo esteja legalizado  com o SPED e sem margem para  erros.

3 principais erros com impostos cometidos por empresários

Por | Compliance, Gestão Tributária | No Comments

Nós sabemos que a alta carga tributária brasileira e a grande quantidade de normas fiscais não auxiliam a vida do empresário. Isso faz com que os empreendedores muitas vezes paguem seus impostos sem entender os números. Consequentemente, problemas com as finanças e com o Fisco acabam acontecendo. A 4True listou os principais  erros com impostos cometidos por empresários. Confira:

1 –  Falta de informação

Ainda por desconhecimento, muitos empresários pagam impostos errados. Isso pode trazer prejuízos e problemas até irreversíveis para a empresa. Muitos desconhecem oportunidades tributárias e acabam pagando mais do que deveriam.

2 – Escolha errada do regime tributário

O Simples Nacional, que reúne oito impostos em uma taxa, é uma das opções mais vantajosas para pequenas empresas. Mas não deve ser uma escolha automática. Na hora de escolher a tributação é preciso entender quem é o cliente final. Se o consumidor final da empresa são grandes redes, que não são optantes do regime do simples, é preciso avaliar se vale a pena escolher o simples nacional.

3 – Não investir em profissionais especializados na  área fiscal

A legislação tributária é segmentada em diversos setores e possui particularidades e detalhes de apuração bem específicos, portanto, é necessário contar com pessoas com conhecimento profundo da área. Além disso, contar com profissionais de consultoria externos que possam trazer novos ares e que possuam uma visão mais ampla pode ajudar a empresa a verificar eventuais distorções.

Além disso é importante saber a diferença entre lucro real, lucro pressumido e lucro arbitrado. Confira!

Lucro Real:  os impostos são calculados a partir do lucro líquido da empresa, considerando ainda adições e exclusões previstas na legislação fiscal. Dessa forma, se a pessoa jurídica registrar prejuízo, está dispensada do recolhimento.

Lucro Presumido: tem fórmula de tributação simplificada, considerando uma aproximação fiscal e não o efetivo lucro contábil. A apuração ocorre trimestralmente e as alíquotas incidem sobre as receitas a partir de um percentual de presunção para a margem de lucro. Se o lucro for menor que o presumido, ela paga mais impostos do que deveria.

Lucro Arbitrado: é adotado pela Receita Federal quando a escrituração contábil e fiscal da empresa for desclassificada, como em casos de fraude ou negligência com as obrigações acessórias, ou quando opta indevidamente pelo Lucro Presumido. A empresa só pode arbitrar seu lucro em casos excepcionais, como na perda ou inutilização de suas informações fiscais.
Não cometa mais esses erros! Entre em contato com a 4True e agende uma reunião.

 

O que pode acontecer com quem sonega impostos?

Por | Variedades | No Comments

Infelizmente, a prática de sonegar impostos não é algo raro no Brasil. Segundo uma pesquisa divulgada pelo Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT), existe indício de sonegação fiscal em 65% das empresas de pequeno porte, 49% das empresas de médio porte e 27% das grandes empresas. Mas afinal, qual a pena para aqueles que sonegam impostos?

De acordo com a Lei nº 4.729, a pena para quem sonega impostos é de seis meses a dois anos e multa de duas a cinco vezes o valor do tributo. A lei ainda destaca que se o agente que cometer o crime prevalecer-se de um cargo público que exerce, a pena será aumentada da sexta parte. Já quando se tratar de pessoa jurídica, a responsabilidade penal pelas infrações previstas na lei são de todos os que direta ou indiretamente tenham praticado ou concorrido para a prática da sonegação fiscal.

Mas se as penalidades não são nada “brandas”? Por que ainda existe tanta sonegação de impostos no Brasil? Em um artigo publicado no site do Ministério Público de São Paulo, o promotor de justiça Fernando Arruda apresentou sua visão de o porquê muitas empresas continuam sonegam impostos impunemente.

Segundo o promotor, um dos motivos é  porque a lei que define os crimes contra a ordem tributária comina pena de reclusão de dois a cinco anos e ainda que condenado o sonegador terá direito ao regime aberto, e se em regime semiaberto, terá direito ou a suspensão condicional da pena, ou a substituição da pena corporal por serviços à comunidade, salvo se a pena for superior a quatro anos o que é muito raro.  “Não obstante a reduzida pena corporal cominada, a Lei 9.249 /95 estabelece em seu art. 34, que o pagamento do tributo antes do recebimento da denúncia do Ministério Público leva à extinção da punibilidade”, destacou Fernando em seu artigo.

Já o advogado e especialista em Direito Tributário Antônio Gonçalves tem uma visão diferente. Em entrevista ao Portal Administradores , ele alegou acreditar que com o implemento e desenvolvimento constante da informática como meio fiscalizatório é cada vez maior o cerco contra os sonegadores. “Métodos que  anteriormente facilitavam as omissões fiscais estão gradativamente sendo suprimidos”,afirmou o advogado na entrevista.

A 4True ressalta que trabalha focada em garantir que todos seus clientes estejam em conformidade com a lei. Por isso, você empresário pode contar com os nossos serviços para que tanto a sua empresa como os sócios recebam toda a consultoria necessária para estar sempre em dia com os tributos e evitar qualquer transtorno.

Você sabe gerir documentos fiscais eletrônicos?

Por | Gestão Tributária, Tecnologia | No Comments

Desde que houve a virtualização de documentos fiscais (NF-e, CT-e, NFSe), novas necessidades começaram a surgir. Uma delas é o gerenciamento desse documento dentro da empresa.

A 4True tem a perfeita solução para automatizar esse processo, que na maioria das vezes é feito de forma manual.

Com as soluções da 4True, é possível realizar desde a emissão feita pelo fornecedor até o seu armazenamento.

Também é possível realizar a integração por meio do planejamento de recurso corporativo, um sistema de informação que reúne todos os dados e processos em uma única plataforma.

O que faz uma consultoria tributária? Entenda o trabalho da 4True.

Por | Compliance, Gestão Tributária, Inovação, Oportunidades | No Comments

Um dos focos da 4True é prestar serviços de consultoria fiscal e tributária. Para isso, mantemos um quadro de profissionais qualificados e especialistas na área que atuam prestando assessoria para analisar os procedimentos da sua empresa.

4True monta um planejamento tributário buscando ao máximo oportunidades para que sua empresa possa economizar com os impostos.

Nós também alinhamos todos os pontos para que a empresa usufrua de incentivos fiscais quando possível.

Além disso, estamos sempre realizando a revisão fiscal dos procedimentos adotados pela sua empresa. Assim, tudo fica alinhado com a realidade fiscal a fim de adequar as práticas do negócio com as alterações da legislação.